Qual paciente não quer se sentir informado, apoiado e ouvido para tomar decisões e escolhas significativas sobre seus cuidados? O termo Patient Centricity traduz o processo de desenvolver um produto ou serviço em torno do paciente. (tornando-o um agente com participação ativa nas decisões que envolvem sua saúde).

Essa abordagem centrada no paciente exige uma parceria entre indústria farmacêutica, médicos, pacientes e suas famílias para alinhar as decisões com os desejos, necessidades e preferências do paciente. Isso também inclui a educação específica e o suporte que os pacientes precisam para tomar essas decisões e participar de seus próprios cuidados.

Engajamento

Existem inúmeras evidências que médicos que se envolvem com seus pacientes e cuidadores obtêm resultados drasticamente melhores. Os pacientes relatam experiências positivas, desenvolvem uma maior confiança em seus médicos e são menos propensos a mudar de profissional, permitindo uma maior continuidade nos cuidados.

Comunicação e o mundo digital

Atualmente, os pacientes também têm cada vez mais acesso a informações por meio de sites, portais e, principalmente, redes sociais. Muitas vezes, eles acessam antes de conversar com o médico responsável pelo tratamento.

Em uma pesquisa realizada em fevereiro de 2021, com a participação de 2.040 jovens (entre 23 e 39 anos), pela Harmony Healthcare IT, 83% dos participantes afirmaram que, mesmo após receberem a orientação médica e o diagnóstico clínico, ainda buscam por conta própria esclarecimentos na internet.

A forma como os profissionais de saúde se comunica com os seus pacientes têm impacto direto na experiência deles. Por isso, a estratégia de fazer um cuidado centrado na pessoa através de um contato empático com informações confiáveis, úteis e focadas na saúde e bem-estar destes clientes pode ajudá-los nessa jornada para que as decisões sejam feitas de maneira compartilhada, de acordo com as preferências e necessidades de cada paciente.

Dentro dessa abordagem, o médico precisa ser capaz de:
‍Satisfazer as necessidades do paciente;
Respeitar o seu tempo;
Informá-lo;
Compreendê-lo como pessoa (com uma vida, valores e preferências);
Responder suas perguntas;
Conectá-lo aos seus dados/informações;
Conectá-lo a outras pessoas e
Permitir aos cuidadores participar do processo.

E ainda, atuar como o principal direcionador das plataformas digitais, fornecendo feedbacks e orientando seus pacientes durante cada fase da jornada de tratamento, pois só assim será possível consolidar uma parceria saudável e duradoura.

 

Imagem destaque: Foto de Karolina Grabowska no Pexels