A proteção das informações pessoais tem sido pauta prioritária na agenda das organizações de todos os segmentos. No mercado da saúde, a questão torna-se ainda mais crítica devido à sensibilidade dos dados tramitados e a preocupação não se limita a proteção de pacientes e colaboradores, mas também em preservar a reputação da própria instituição.

Informações sensíveis, como registro de histórico das consultas, procedimentos, exames, investigação de causas e condutas tomadas, além de dados bancários e pessoais ficam suscetíveis a ataques virtuais, e, consequentemente, a vazamentos.  Todas essas informações são confidenciais e precisam ser 100% confiáveis, pois em planejamentos cirúrgicos e tratamentos, por exemplo, são essenciais para que a vida do paciente não seja posta em risco.

Atualmente, as medidas de segurança são instituídas por órgãos nacionais como a Agência Nacional de Saúde (ANS) e por organizações e leis internacionais como é o caso da Health Insurance Portability and Accountability Act (HIPPA), com normas que asseguram o controle das informações detidas por organizações de saúde.

Mas segundo pesquisa realizada pela KPMG, 81% dos executivos de organizações ligadas à Saúde afirmaram que as suas empresas já sofreram ataques virtuais. Somente metade dos gestores entrevistados se sentia preparado para proteger a instituição de futuros ataques e 39% afirmaram não possuir mecanismos confiáveis em segurança da informação para se prevenir de futuras invasões.

Investimento em Tecnologia

As instituições de saúde não devem apenas procurar usar ferramentas que lhes forneçam uma visão abrangente de sua rede como já existe atualmente, mas também lhes permitam se adaptar rapidamente a novas ameaças e evitá-las antes que ocorram.

Dados do IDC mostram que os gastos globais em segurança da TI vão crescer cerca de 8,3%, gerando um crescimento de US$ 73,7 bilhões para US$ 101,6 bilhões até 2020. Na Saúde, os gastos em segurança da informação devem crescer 10,3% – taxa maior que a de qualquer outro setor.

Afinal, com saúde não se brinca, em nenhum momento.